O Analista de crédito brasileiro é o melhor do mundo.

        Embora não considere mérito, já estou há muitos anos atuando no mercado de crédito, principalmente o crédito direcionado à pequenas e médias empresas.

        Algumas “lições” tive o privilégio de aprender em tantos anos trabalhando com profissionais das mais variadas idades, experiências, lugares e realidades.

        Mas a “lição” que considero a mais importante é: Nunca vi qualquer um destes profissionais errar em seus pareceres.

        Mesmo profissionais “recém-chegados” em suas empresas, sempre foram muito assertivos em análises invariavelmente complexas acerca de pequenas e médias empresas.

        Qual seria então o “segredo” destes profissionais?

        Além de treinamento intensivo, uma característica comum a todos eles é o que se chama de “feeling”.

        Vejam bem: Não se trata de um “sexto sentido mediúnico”, mas da absorção, interpretação e aprendizado de experiências históricas.

        Eu costumo dizer que tal “sensibilidade” não se aprende somente através de treinamentos dirigidos, mas sim, do acúmulo de experiências (positivas e negativas) do profissional.

        Além do que chamo de “espírito investigativo”, o tal “feeling” carrega uma propensão muito grande de “previsibilidade”.

        Sim, nosso profissional de crédito procura insistentemente “prever” o que pode acontecer em “futuros possíveis”, portanto sua análise não se baseia exclusivamente em “números e dados frios”, mas em prováveis ou possíveis acontecimentos que porventura possam se realizar, dos mais otimistas aos mais pessimistas.

        Falar em “previsibilidade” no Brasil é o mesmo que brincar de roleta russa, concorda?

        Entendo que as tecnologias disponíveis facilitam infinitamente a vida do nosso analista, seja pela rapidez e abundância no levantamento de informações, seja pela possibilidade de “cruzamentos” de dados que antes era impossível (ou inviável) fazer.

        No entanto, dada a grande volatilidade de micros e pequenas empresas, bem como nosso tradicional ambiente macroeconômico instável, estabelecer qualquer “previsibilidade” em nosso mercado não é “coisa para amadores”.

        Não há então, como mensurar a importância dos nossos analistas.

        Sempre recomendo com muita veemência: Ouça-os.

        Homenageio todos os nossos profissionais de crédito, cadastro e lastro, pois são realmente, os melhores do planeta.

Rogério Castelo Branco

Rogério Castelo Branco

28 anos de carreira em gestão de recebíveis.

Caso tenha gostado do artigo, compartilhe com sua rede de contatos:

Ajuda com a gestão da sua Securitizadora, Factoring, FIDC ou ESC?

Conheça nossa consultoria, treinamentos e mentoria. São 28 anos de experiência.